Spotify chega ao Brasil para combater pirataria na música

Padrão

Imagem

Após meses de especulação, o Spotify finalmente chegou plenamente ao Brasil, onde só funcionava para alguns testadores em esquema de convite. A partir de hoje, o serviço sueco de streaming de músicas está disponível a qualquer internauta brasileiro.

O país é o 58º a contar com o produto, que tem 30 milhões de músicas e mais de 1 bilhão de playlists criadas pelos usuários. Segundo Gustavo Diament, representante do serviço por aqui, são adicionados 20 mil sons todos os dias: “Não temos todas as músicas do mundo, mas estamos trabalhando nisso.”

Por quanto? 

O serviço chega com dois planos, um deles é gratuito, mas tem publicidade. Segundo Diament, 25% dos clientes acabam migrando para a versão premium, que custa US$ 6 por mês e depende de um cartão de crédito internacional para ser assinado – nos Estados Unidos, o mesmo pacote sai por US$ 10. Em breve o valor será convertido para reais,ficando em R$ 14,90.

Os dois planos permitem execuções em aparelhos móveis, mas no gratuito só é possível ouvir músicas em ordem aleatória. O mobile é mercado prioritário para a empresa, que tem um sistema de compressão de dados e buffer para melhorar a experiência do usuário.

Pirataria na mira 

De acordo com Diament, a chegada do Spotify representa um reforço no combate à pirataria musical, tanto que a empresa nem considera seus pares, como Deezer e Rdio, como os principais concorrentes: a meta é reduzir o mercado ilegal como ocorreu na Suécia, onde o lançamento do Spotify fez cair a pirataria em 30%.

Em seis anos de atividade, a empresa já pagou mais de US$ 1 bilhão a detentores de direitos autorais. “Nosso desafio era criar algo tão bom quanto o Napster, mas com um modelo de negócios benéfico para a indústria”, comentou o executivo. No mundo todo já foram fechados mais de 300 mil acordos, que não são feitos diretamente com os artistas, e sim com gravadoras e distribuidoras – a página Spotify Artist, que explica os trâmites, será lançada em português.

Diament acredita que o streaming ganhará força no Brasil à medida que a infraestrutura da internet melhore e os smartphones fiquem mais baratos, dois movimentos que já são vistos no país. “Ainda existe muito a fazer para divulgar o streaming de música no Brasil. Não dá pra assumir que todo mundo já conhece”, disse.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s