Novo Moto G chega ao Brasil em três versões diferentes; confira os preços

Padrão

20160517075559_660_420

A Lenovo revelou nesta terça-feira, 17, em evento realizado em São Paulo, os primeiros smartphones da Motorola após a marca ter sido abandonada e substituída por apenas “Moto by Lenovo”. Trata-se do novo Moto G, modelo intermediário da empresa que chega em três versões diferentes, com novo design e preço maior.

Seguindo a estratégia da linha Moto X, a Lenovo transformou o Moto G deste ano em uma família com diferentes modelos, lançados ao mesmo tempo: o Moto G4, o Moto G4 Plus e o Moto G4 Play. 

O primeiro tem tela de 5,5 polegadas Full HD (1080 x 1920 pixels), 16GB de espaço interno (expansível até 128GB com microSD), processador octa-core Snapdragon 617 de 1,7 GHz, 2GB de memória RAM e bateria de 3.000 mAh com um carregador mais rápido de 10 watts e sistema dual chip inteligente. Tudo isso por R$ 1.299.

Já o modelo Plus vem com as mesmas características, exceto pelo armazenamento interno que chega a 32GB e a memória RAM de 3GB. Além disso, o aparelho vem com um sensor de impressão digital localizado na parte inferior da tela. Os botões capacitivos, porém, continuam digitais, e não físicos como rumores recentes apontavam. O preço dessa versão é de R$ 1.499.

Por fim, o Moto G4 Play é o “irmão caçula” da família. A tela é de 5 polegadas HD e câmera traseira de 8MP. O processador é um quad-core, a memória RAM é de 2GB e o espaço interno também tem 16GB expansíveis. A Lenovo não revelou o preço do aparelho, que só chega às lojas em agosto, mas já adiantou que sairá por menos de R$ 1 mil.

O Moto G4 mais simples possui também uma câmera traseira de 13MP, enquanto o Moto G4 Plus tem uma de 16MP, foco a laser e recursoa profissionais, como ajuste de ISO. Segundo a Lenovo, a camera é comparável à do iPhone 6s.

Todos eles vêm com uma câmera frontal de 5MP e o já tradicional Android quase puro da marca, saindo de fábrica na versão 6.0 Marshmallow. Com exceção do Moto G Play, os aparelhos já estão disponíveis na loja virtual customizável Moto Maker em oito cores diferentes.

Fonte: Olhar Digital

Anúncios

Instagram muda o visual em nova atualização

Padrão

20160511113657_660_420

Um dos ícones de aplicativos mais conhecidos de todos os tempos mudou. Agora quando você abrir o seu smartphone, não irá mais ver a tradicional câmera Polaroid do Instagram, e sim uma câmera toda coloria e estilizada.

Nesta quarta-feira, 11, o serviço de compartilhamento de fotos liberou uma atualização para os sistemas operacionais Android e iOS que apresenta um novo design do aplicativo, incluindo suas extensões, Layout, Hyperlapse e Boomerang.

20160511113741

A plataforma está com um esquema minimalista de cores preto e branco, que deixa o design mais clean, sendo que todos os textos do app e ícones de tela principal, publicações, notificações e perfil são pretos.

20160511113822

 

Segundo a empresa, o novo visual tem o objetivo de destacar as fotos e vídeos publicados pelos usuários, ao invés de chamar a atenção para o próprio aplicativo. “Enquanto o logotipo é uma porta colorida para o aplicativo, uma vez dentro do app, nós acreditamos que a cor deve vir diretamente de fotos e vídeos da comunidade”, afirma o designer responsável pelo projeto, Ian Spalter.

Fonte: Olhar Digital

Netflix revela quando preço da mensalidade no Brasil irá aumentar

Padrão

20160126183322_660_420

O chamado “programa de apadrinhamento” da Netflix está chegando ao fim. A empresa anunciou nesta terça-feira, 10, quando o preço do serviço de streaming sofrerá o reajuste prometido desde o mês passado. Usuários antigos passarão a pagar o mesmo que os assinantes mais novos a partir de 11 de junho.

A mudança vale apenas para quem se tornou cliente da Netflix antes de junho de 2015. Assim, quem tem um plano com suporte a duas telas passa a pagar R$ 19,90 mensais; quem tem direito a duas telas e resolução HD, pagará R$ 22,90; enquanto os assinantes do plano com resolução 4K pagarão R$ 29,90.

Esses são os mesmos valores cobrados de quem assinou o serviço após junho do ano passado. Desse modo, todos os clientes passarão a ser cobrados igualmente. Segundo a Netflix, os assinantes que terão suas contas alteradas vão receber um comunicado da empresa com 30 dias de antecedência.

Fonte: Olhar Digital

Anatel homologa iPhone SE, o ‘baratinho’ da Apple

Padrão

20160324143313_660_420

Fãs da Apple podem preparar o bolso: o novo iPhone SE está chegando ao Brasil. A Anatel concluiu a homologação do aparelho, o que significa que ele está liberado para ser vendido no país.

A agência emitiu o certificado oficial do modelo A1723 do dispositivo e a expectativa é de que a pré-venda comece no dia 13 de maio; se essa data estiver correta, o lançamento oficial será no dia 20 de maio.

Até o momento, a Apple não emitiu qualquer comunicado oficial a respeito da data, versões e valores dos modelos que pretende trazer para o Brasil. Recentemente, o site MacMagazine divulgou os possíveis preços do iPhone.

O smartphone de 16GB sairia por R$ 2.699, enquanto o de 64GB custaria R$ 2.999 – esses valores são para quem quiser parcelar o aparelho em até 12 vezes. Já as compras à vista terão um desconto de 10%; neste caso, os preços seriam R$ 2.429,10 e R$ 2.699,10, respectivamente.

Fonte: Olhar Digital

Justiça suspende bloqueio ao WhatsApp no Brasil

Padrão

20160329163729_660_420

A decisão da última segunda-feira, 2, de um juiz de Sergipe que mandou bloquear o WhatsApp no Brasil por três dias já perdeu validade. O desembargador Osório de Araújo Ramos Filho, do mesmo Tribunal de Justiça de Sergipe, decidiu revogar a decisão do colega e liberou novamente o aplicativo.

As operadoras precisam receber a ordem judicial oficialmente para restabelecer o acesso ao app. Durante a madrugada, o plantonista Cezário Siqueira Neto, do mesmo tribunal, já havia negado um recurso apresentado pelo Facebook para liberar o WhatsApp.

Fonte: Olhar Digital

TIM libera SMS para usuários durante bloqueio do WhatsApp

Padrão

20160222164612_660_420

Clientes da operadora de telefonia móvel TIM poderão usar os serviços de SMS de maneira gratuita durante o bloqueio do WhatsApp no Brasil. Segundo a empresa, trata-se de uma medida com a finalidade de “reduzir o impacto” da suspensão do funcionamento do aplicativo.

Com a medida, os clientes da empresa poderão enviar mensagens SMS para outros celulares – mesmo que sejam de outras operadoras – enquanto durar o bloqueio do aplicativo. A empresa realizou o anúncio por meio de uma postagem em sua página do Facebook, que pode ser vista abaixo:

13164356_1007112419378576_4451479665469302775_n

Por ora, a TIM foi a única operadora a oferecer esse tipo de auxílio a seus clientes. Páginas de redes sociais da Vivo, Claro, Oi e Nextel não continham qualquer informação semelhante, embora contivessem notas informando que as operadoras estavam acatando a decisão judicial de bloquear o WhatsApp.

O Olhar Digital também já fez um guia com modos de se burlar o bloqueio do WhatsApp. Além disso, usuários também podemaproveitar a oportunidade para testar o Telegram, um aplicativo de mensagens semelhante mas com mais funções.

Fonte: Olhar Digital

Justiça nega liminar e mantém WhatsApp bloqueado no Brasil

Padrão

20160503044621_660_420

Não funcionou o apelo do WhatsApp para tentar reverter o bloqueio do aplicativo no Brasil, então o serviço deve permanecer inacessível no país até quinta-feira, 5.

No início da madrugada desta terça-feira, 3, o desembargador Cezário Siqueira Neto negou a liminar do mandato de segurança impetrado pelo WhatsApp para que o bloqueio fosse derrubado. A decisão foi divulgada durante o Plantão do Judiciário do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE).

O serviço está parado desde as 14h de segunda, 2, como punição por falta de cooperação da empresa com a Justiça, que tenta forçar o WhatsApp a liberar dados que poderiam ajudar em uma investigação criminal. O bloqueio faz parte do mesmo processo que levou à prisão de Diego Dzodan, vice-presidente do Facebook na América Latina, em março de 2016. Dzodan passou apenas uma noite na prisão e, em seguida, recebeu um habeas corpus e foi solto.

O processo exige que o WhatsApp divulgue dados sigilosos de conversas pelo aplicativo que poderiam auxiliar na investigação sobre um esquema internacional de tráfico de drogas. A empresa disse ao Olhar Digital, no entanto, que não é capaz de atender às solicitações da justiça brasileira, já que ela não armazena dados em seus servidores. Não é o que entende a Justiça:

“O aplicativo, mesmo diante de um problema de tal magnitude, que já se arrasta desde o ano de 2015, e que podia impactar sobre milhões de usuários como ele mesmo afirma, nunca se sensibilizou em enviar especialistas para discutir com o magistrado e com as autoridades policiais interessadas sobre a viabilidade ou não da execução da medida. Preferiu a inércia, quiçá para causar o caos, e, com isso, pressionar o Judiciário a concordar com a sua vontade em não se submeter à legislação brasileira”, afirma o desembargador, conforme reporta o Congresso em Foco.

Fonte: Olhar Digital